sexta-feira, 15 de junho de 2012

O CASAMENTO




O casamento foi, historicamente, uma das instituições sociais mais valorizadas. Era algo certo, um tanto quanto óbvio, um destino: o ser humano nascia, crescia, se casava, se reproduzia, e morria.
Ainda, nos dias de hoje, grande parte de nós nasceu no seio de uma família nuclear, de um casamento. Contudo, contemporaneamente, essa instituição – o casamento-  sofreu transformações. O individualismo exacerbado vivenciado em nossa sociedade de consumo, leva-nos a desejarmos cada vez menos o comprometimento, buscando uma liberdade que, muitas vezes, é encontrada de forma ilusória. Estabelecemos, entre nós, relações líquidas, superficiais, utilitaristas, que são cada vez mais comuns.
Por outro lado, temos como nunca a opção de escolhermos a pessoa com a qual queremos nos relacionar. Segundo Bauman, na modernidade líquida, período em que vivemos, não há uma falta de valores, e sim, um excesso de valores e informações. Diante disto, precisamos escolher.
Perguntei, a algumas pessoas solteiras, que possuem idade de vinte a trinta anos, sobre o casamento.  O que notei foi que o comprometimento formal, do tipo casar na igreja, no cartório, perdeu valor em relação a outras formas de estabelecer vínculos que são mais informais ( do tipo ir morar junto e experimentar para ver se dá certo a convivência).  Alguns dos entrevistados se mostraram um pouco desiludidos com as promessas de amor eterno, oferecidas pelo casamento tradicional. É interessante notar que, apesar das desilusões, todas as pessoas entrevistadas falaram que sim, desejam se casar um dia.  Entretanto, as opiniões sobre o casamento são diversas. Leia as perguntas e respostas:


1-O que você pensa e sente sobre o casamento?

Kevin: Necessário para a constituição da família, convenção social criada pela igreja, fim da farra para o homem.

Sara: Casamento de verdade, no papel é algo de dois lados, ou para unirem duas pessoas com pouca condição financeira e tentarem melhorar de vida juntos, para poderem comprar uma casa e etc junto....agora se for amor e somente amor, pode ser sem o casamento contrato e sim uma celebração, uma benção de amor...e eu sinto que isso uma hora da minha vida será preciso, para eu sentir a segurança da procriação.

Flora: Eu penso que é uma instituição em que duas pessoas se comprometem e fazem um pacto verbal ou não para estabelecer regras de boa convivência que farão a manutenção do amor que os une. É importante que seja uma decisão refletida por ambos.

Nick: Eu penso que casamento é algo complicado e parece que tá cada vez mais dificil de dar certo no mundo de hoje.. então acabo sentindo "receio" quando penso em casamento.

Jorge: Penso que o casamento é uma das coisas mais lindas quando falamos de amor e união, porem sinto que hoje em dia ele esta sendo cada vez mais banalizado e menos valorizado, se tornou algo muito mais comercial do que sentimental.
Kate: Eu já nasci querendo casar... não nasci pra ser sozinha e tbm não me vejo solteira e nem "juntada", rs.


Alex: A idéia de casamento é uma ilusão, que se concretiza com a frustração na prática dessa ideia idealizada. O casamento é formado por um coletivo de interesses individuais raramente pautados pelo amor, que é outra ilusão, utópica e instável.Habitantes de países nórdicos nao se preocupam mais em oficilizar um vínculo afetivo, por não considerarem tal compromisso como prioridade na vida. Comparativamente, mulheres do mundo árabe ao se casarem, terão praticamente como obrigação conduzir tal relação pro resto da vida, sob pena de serem mal vistas e apedrejadas como punição.Nesses dois cenários, acredito que o Brasil está em um meio termo entre o pleno atraso árabe e o convívio maduro existente entre casais nos países nórdicos.Somos uma sociedade conservadora, fortemente apegada a valores tradicionais cristãos-medievais, temos um longo caminho pela frente.

2- Quais são as suas experiências com relação ao casamento na sua vida? Você acha que elas influenciam a sua idéia de casamento?

Kevin: Uma lata de merda coberta de mel..hahaha.

Sara: Minha experiência com casamentos são de acordo com as épocas, tive o prazer de ir a festa de casamentos de 70 anos de meus bisavós, assim como eles essas coisas ja não existem mais, depois ví o romprimento da minha vó mas sem o divorcio, e por fim...minha mãe que pode se divorciar legalmente, casamento pra mim tem começo meio e fim, infelizmente.

Flora: Com certeza os modelos que nós observamos, principalmente os familiares, são base para que nós queiramos o mesmo ou completamente diferente. Com certeza os modelos que nós observamos, principalmente os familiares, são base para que nós queiramos o mesmo ou completamente diferente. De qualquer forma serve como referência. No meu caso, eu busco a diferenciação do relacionamento que meus pais tiverem.

Nick: Tenho pais divorciados e conheço muitas pessoas que tambem se divorciaram.. e isso influencia sim na minha idéia sobre o casamento.. acabo não confiando muito na monogamia.

Jorge: Nao tenho muitas experiências, eu mesmo nunca casei, mas espero casar e que dure para sempre. Minha mãe ja faleceu, mas creio que se nao fosse por isto eles estariam juntos ate hoje, digo isso pq hoje meu pai é novamente "casado" e eles tem uma relação muito boa, afinal existe o amor.

Kate: Meus pais são bem casados, felizes... são muito diferentes, no entanto, e isso não faz sentido... meu pai é mto mais sociável e engraçado, enquanto minha mãe poderia viver dentro de uma igreja ou numa caverna... quanto à casamento, só tive boas influências deles... quanto à família, me vejo tendo uma completamente diferente, mais aberta, com mais diálogo, mais "fácil"...


Alex: Não tenho expectativa sobre casamentos. Não enxergo o evento matrimonial como um fim, mas como uma etapa desnecessária, principalmente quando oficializada em cartório. A não ser que o $$$ compense, a final, o casamento é uma convenção social.

3-Deseja se casar um dia? Por que?

Kevin: Sim, pra ter filhos.

Sara: Desejo me casar um dia, nao apenas para fazer uma festa de casamento para os outros falarem mal, mas para haver um marco de amor, demonstrações de amor sempre são válidas....

Flora: Sim. Acredito que duas pessoas que se amam e se respeitam podem construir uma vida juntos. O casamento é um passo importante e oportunidade de crescimento e aprendizagem.

Nick: Desejo, mas não sei sobre quais circunstâncias, ou se ia ser um casamento tradicional. O pq é.. Aquela coisa de ter alguem do lado sempre, poder confiar e viver coisas juntos. Cumplicidade.

Jorge: Como já disse sim, quero casar, e se Deus e ela quiserem tomara que nao demore muito. Porque neste caso acredito em amor pleno.

Kate: Não vejo a hora de ter o "meu marido", "minha casa", "minha família". acho que quando isso acontecer eu realmente vou estar "vivendo a minha vida"... kkk irremediavelmente romântica, fazer o que...


Alex: Não faço planos nesse campo. Os argumentos supracitados justificam.

4-Diga 3 palavras que se relacionam com ‘casamento’ para você.

Kevin: Confiança, família, parceria.

Sara: Aliança,lua de mel e gravidez.

Flora: Amor, respeito e construção.

Nick: Sexo, Amor e Filhos.

Jorge: Amor, cumplicidade, companheirismo.

Kate: Certeza, carinho, companheirismo.


Alex: Ilusão, interesse e companhia.


Comente e nos diga você o que pensa sobre o casamento!

3 comentários:

  1. Alex, seu nível de realismo é apaixonante. Casa comigo?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com todas as respostas sobre o casamento, porém, acho que acima de tudo quando duas pessoas se unem elas estão assumindo um compromisso bilateral. Essa valência nem sempre é cumprida, seja ela qual for, provocando desconforto para quem se sente lesado, causando-lhe prejuízos emocional ou até mesmo físico. Achar uma dupla a qual possamos evoluir juntos é algo cada vez mais raro nos dias atuais, acredito que também não fora muito simples nos tempos de nossos pais, avós e bisavós, tendo em vista que os papeis dentro de uma família eram bem distintos. Concluo; em qual quer época unir-se a outra pessoa não é (era) uma tarefa fácil, tem que haver muitas concessões. A pergunta é: estamos dispostos????

    ResponderExcluir